10 destinos inesquecíveis da Nalu Pelo Mundo

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Texto por Fabiana Nigol

Não precisamos dizer que adoramos viajar, descobrir coisas novas, provar de tudo, se encantar, se decepcionar e querer voltar. Depois de 12 temporadas e muitos carimbos no passaporte, descobrimos que só a Bela, desde que nasceu, já conheceu 38 países.

Selecionei aqui alguns destinos que amamos. Desde os mais tradicionais, como a Califórnia, a Austrália e a África do Sul; passando por aqueles que sempre imaginamos conhecer, como o Taiti, a Indonésia, a China e o Havaí; até aqueles destinos dos quais pouco ouvimos falar, como a Papua Nova Guiné, San Blas e Tikehau. Espero que gostem!

E lembrem que viajar é uma caixinha de surpresas. O importante é abrir a mente para receber as surpresas boas e as nem tão agradáveis também. E estas, estas sim são importantes, são as que te fazem lembrar, dar risadas, e te deixam preparados para a próxima.

 

Depois de um dia de muito surfe, fomos presenteados com um arco-íris.

1. Havaí

Havaí!!! Nossa segunda casa, onde a Isabelle nasceu. Aliás, muita gente me pergunta por que “Nalu”. Nalu é o seu segundo nome. Por ela ter nascido no Havaí, procuramos um nome havaiano e encontramos esse, que significa “onda”. 

O Havaí é a alegria da família inteira. Pato treina todos os dias pelo North Shore em ondas de todos os tamanhos e para todos os gostos. Belinha já se arrisca no surfe em dias menores, anda de skate na pista em frente ao Log Cabins, tem muitos amigos e frequenta a escola desde que tinha três anos. Eu adoro, pois o lugar onde ficamos, o North Shore, é um dos mais lindos que já conheci! Minhas praias preferidas são Sunset Beach e a Baía de Waimea. Durante o dia, a região é bem agitada, mas à noite ela fica bem tranquila.

O meio de transporte por aqui é a bike. A ciclovia é linda, cheia de árvores, e você pode checar a maioria das ondas sem ter que pegar o carro. No supermercado, tem desde açaí até coxinha e guaraná! Não deixe de provar o delicioso poke, tradicional por aqui. São cubinhos de peixe cru com arroz, delícia! A volta de carro pelo East Side vale a pena. Montanhas, vida local, cachoeiras e muito verde. E, se quiser fazer compras, vá até o Ala Moana shopping center, em Honolulu. Você vai precisar de um dia inteiro para passear por todas as lojas, gigante!!!

E por que não a parte turística da ilha, Waikiki? Apesar do crowd, vale um surfe em família na praia onde fica a estátua do “pai do surfe”, Duke Kahanamoku, e um fim de tarde no restaurante que leva o nome dele: Duke’s!

Aloha!

Pôr do sol em Tanah Lot.

2. Indonésia

A Indonésia é distante… E não é um destino para qualquer família. Se você tem um espírito aventureiro e está a fim de conhecer uma cultura diferente, esse é o lugar. Passamos a maior parte do tempo em Bali, na região do Bukit. É lá que o Pato adora surfar, em Padang Padang e no outside corner de Uluwatu. Fica a 40 minutos de Kuta, o buxixo da cidade. Nessa área, existem muitas opções de hospedagem, além de muitos restaurantes e cafés deliciosos.

Bali já não é tão barato quanto era antigamente. Hoje em dia, a região de Seminyaki é repleta de boutiques, restaurantes e hotéis de luxo. Vale dar uma passeada por lá. E Kuta também vai se encaminhando para isso. Alugar uma motinho é muito prático. O trânsito é intenso, mas as pessoas dirigem com cuidado. O povo de lá, a maioria hindu, tem um semblante acolhedor, adora crianças e está sempre feliz. Com certeza, você vai sair falando algumas palavras em Bahasa Indonesia, a língua local. Mas todo mundo fala inglês por lá, e eles até arriscam umas palavrinhas em português!

Vale conhecer a região de Ubud, com spas maravilhosos, lojas e um passeio imperdível para as crianças: o Elephant Safari Park Lodge. O nome é exatamente assim. Existem outros não tão bacanas. O parque é um hotel, também, de luxo, aonde os elefantes vêm buscar os hóspedes na porta para um passeio ou jantar. Durante o dia, existem inúmeras atividades, mas a nossa preferida foi dar banho nos elefantes. Inesquecível! E o projeto é bem bacana. Começou com o resgate de alguns elefantes maltratados e presos em Sumatra, que hoje se reproduziram e são extremamente bem cuidados. Tivemos a sorte de conhecer um elefante bebê que a Belinha queria ter como bichinho de estimação.

Viajamos bastante de carro para as outras ilhas, como Lombok, Sumbawa e Java. Sempre em busca de ondas e com uma estrutura bem simples. Se não estiver a fim de roubadas, fique em Bali. O templo Borobudur fica na ilha de Java, mas é um lugar encantador e cheio de energia boa. É o maior monumento budista do mundo, e chegar até o topo no momento do pôr do sol não tem preço. A Indonésia é um destino no qual vale a pena passar no mínimo um mês. A melhor época é a sem chuvas, entre abril e setembro. Prepare-se, pois o cheirinho de incenso sempre está no ar!

Terima kasih (obrigado) é uma palavra bem-vinda!

A famosa onda de Teahupoo.

3. Taiti

Quem surfa, com certeza já ouviu falar da onda de Teahupoo, no Taiti.

Como muitas pessoas, eu sempre imaginei a Ilha do Taiti (que é uma das ilhas da Polinésia Francesa) como aquela coisa de revista: areia branquinha, praias, bângalos sobre a água… A ilha é bem grande, e a onda de Teahupoo fica no fim dela. A rua literalmente acaba por lá. Até Papeete, o centro, é aproximadamente uma hora de carro.

A vila de Teahupoo é bem simples. Não tem praia, nem areia branca para tomar sol. Você vai viver como os locais, comer muita baguete e “poisson cru” (o prato local com peixe cru e leite de coco) e ver a chuva que vem e que vai. Por isso, a minha dica é alugar um carro e cruzar de ferry boat para a ilha de Moorea. O ferry parte de Papeete e leva aproximadamente uns 30 minutos.

Em Moorea, você pode dar a volta na ilha inteira, parar em vários pontos bacanas com visuais lindos e ainda almoçar ou jantar num desses resorts com bangalôs sobre a água. Gravamos um episódio no Intercontinental, onde você pode mergulhar com arraias e tubarões bem na frente do hotel. Ou, se preferir, dentro do hotel eles oferecem o encontro com o golfinho, momento tão sonhado por muitos de nós (apesar de dar pena do bichinho lá preso.) Prepare o bolso, tudo por lá é bem caro.

É também uma boa pedida para fazer uma tatuagem nova ou para comprar uma pérola negra. E vá treinando a saudação local: Iaorana!

Belinha e Deda em um passeio pela Big Sur.

4. Califórnia

A Califórnia é o destino perfeito para alugar um motorhome e sair rodando. Tem muita praia linda, muito surfe, muita coisa para conhecer e se atualizar, como as tendências de esportes e moda, os equipamentos de filmagem/fotografia e tudo quanto é novidade.

Nossa dica é o passeio pelo Big Sur, na região central da Califórnia. É o trecho mais bonito da H-1, a rodovia que cruza toda a costa. As paisagens são lindas: praias, cachoeiras e muitos esquilos em cada parada para fotos. São 70 km, mas tem tanta coisa legal que o passeio leva horas.

Belinha adora Venice. A pista de skate na beira do mar é demais, e tem tanta gente maluca por lá que a diversão é garantida. Aliás, existem muitos skate parks por lá.

No ano passado, visitamos o parque Universal Studios e adoramos! Tem Disney, também, zoológicos, outlets… Enfim, tuuudooo para uma viagem completa. Tem coisas bem turísticas, mas que são legais – principalmente para crianças, como a calçada da fama. Nosso lugar preferido para almoçar e comprar quitutes saudáveis é o supermercado Whole Foods. Batemos cartão lá em todos os dias da viagem.

A imensidão da muralha da China. Ao lado, Belinha desbravando o mar com a ajuda de uma criança local em Papua Nova Guiné.

5. China

Um destino que adoramos conhecer foi a China. O Pato foi convidado para surfar a pororoca chinesa conhecida como Silver Dragon, uma onda no meio do rio Qiantang, que cruza a cidade de Hangzhou. Da cidade de Hangzhou, embarcamos no “trem-bala” e fomos para a capital Beijing (ou Pequim), onde encontramos tudo muito organizado e preparado para turistas.

Mas o ponto forte é mesmo a Muralha da China. Com sua arquitetura milenar, ela parece infinita cruzando as montanhas. São 21.196 km de extensão que fazem parte das sete maravilhas do mundo moderno. O que muita gente não sabe é que você chega até a muralha por um teleférico e pode descer por um tobogã. Demais! Um passeio cultural com um pouco de aventura. Belinha adorou, e não preciso nem dizer que subimos e descemos algumas vezes até cansar.

6. Papua Nova Guiné

A Papua Nova Guiné é outro destino bem interessante, apesar de pouco conhecido. A melhor coisa é viajar de barco por lá. É um país da Oceania, próximo à Indonésia. Já existem empresas de charter por lá, e o objetivo é sempre encontrar ondas perfeitas e picos bons para mergulho.

Nós encontramos os dois! Fomos para uma ilha chamada Kavieng e encontramos uma estrutura bem bacana. Nada de luxo, mas tem bangalôs de madeira e um restaurante-bar, além de um povo alegre, cheio de crianças por toda parte. As pessoas lá falam inglês, e são negros com cabelos loiros. Adoram turistas e a Bela se divertiu muito! Era a mascote da vila.

A pescaria é muito boa e o mergulho, lindo! Pato surfou sozinho algumas vezes e foi demais ver os meninos de lá surfando com tábuas de madeira. A interação com os locais foi intensa. Participamos de um evento com dança e música, fomos convidados para jantar na casa de uma família, e eles estavam sempre ao nosso redor.

Longe, pouco conhecida e para quem gosta de aventura. 

Nossa "casa" pelas estradas australianas.

7. Austrália

A Austrália é outra viagem imperdível e outro destino ótimo para alugar um motorhome, uma van ou um carro para sair rodando sem destino. O país inteiro é preparado para facilitar a vida do viajante. Já rodamos quase tudo por lá: alugamos um motorhome maior na primeira temporada de Nalu e, na segunda viagem, optamos por um carro/casa mais compacto. Dormíamos na barraca que abria no próprio teto do carro. E, do porta-malas, saía nossa cozinha com fogão e tudo! Tem cada coisa maluca por lá.

Os picos que mais gostamos de conhecer no lado leste foram Sydney e seus arredores. Mas também nos encantamos por Byron Bay e Noosa. Estilo hippie, tudo ali é cool e respira surfe. Demais!!! No lado oeste, curtimos Margaret River. Mas, pra falar a verdade, tudo é legal por lá. Você encontra algo interessante em qualquer paradinha. Sair sem destino é muito bom, também. Nossas melhores trips foram assim. Vinícolas, cavernas, festivais, fish and chips… A galera australiana é bem parecida com o povo brasileiro.

Se jogue por lá que a diversão e o surfe são garantidos. Tem tubarão, e tem crowd, também. Parece que a Austrália inteira surfa!

Toda a beleza da Table Mountain.

8. África do Sul

Porque todo mundo tem que ir um dia! O povo é alegre, a comida é boa, tem onda, os safáris são perfeitos e não é caro. Gravamos uma parte da temporada de Nalu por lá, e conhecemos bastantes coisas bacanas. Jeffrey’s Bay é o pico mais conhecido pelos surfistas. Com suas direitas perfeitas, ele se torna um pico apaixonante. A cidadezinha é simples, bem estilo surfe. Tem alguns outlets legais, cafés, restaurantes e hotéis para todos os gostos.

A uma hora de carro de J’Bay, conhecemos um safári perfeito para a família, com opções de hospedagem simples e bem luxuosas, chamado Shawmari Game Reserve. Tivemos muita sorte e, nos dois dias que passamos lá (dois ou três são suficientes), vimos os famosos Big Five: leões, elefantes, búfalos, leopardos e rinocerontes. Todos livres, caçando, dormindo e vivendo como realmente vivem na selva. Inesquecível!

Passamos por Joanesburgo e visitamos Malboneng, um bairro moderno e cheio de  arte. Vale a visita, tudo respira arte! Mercado, lojas feitas com contêineres, exposições de pintura, galera jovem e bacana.

Fomos até a cidade dos hipopótamos, Santa Lucia, onde eles cruzam as ruas à noite. Uma loucura, pois ficamos sabendo por lá que esse bichinho, que parece tão lento e inofensivo, é o animal que mais causa mortes quando as pessoas se atrevem a invadir o território deles. Durban também é bem legal. Visitamos o aquário local, lindo! Pato surfou no mar, mesmo, e Belinha encarou as ondas estáticas na piscina de ondas dentro do shopping.

Cape Town é uma cidade maravilhosa! Empresas e prédios misturados com a natureza e a beleza da Table Mountain. Demais! Subimos caminhando até o topo com a Belinha. Foram três horas, gravando e parando, mas conseguimos. Fomos acima das nuvens! E o visual do topo é emocionante, com toda a cidade lá embaixo. Na volta, descemos de teleférico. Se você preferir, pode subir de teleférico, também. Imperdível! Escolha um dia com céu aberto. Tem muitas vinícolas por lá, também, hotéis lindos e preço acessível. Queremos voltar!

Praias paradisíacas com mar calmo e transparente.

9. Tikehau

Destino lindo e pouco conhecido, também. Faz parte do conjunto das Ilhas Tuamotus, na Polinésia Francesa. Lugar tranquilo, paradisíaco e de fácil acesso. Voos diretos de Papeete, Taiti, aterrissam semanalmente por lá.

Tem todo tipo de hospedagem: bangalôs sobre a água, hotéis simples e casas de família. O local é conhecido mundialmente pelo mergulho. Das ilhas da Polinésia que visitamos, essa foi a mais linda. Passeamos pela vila, que tem um correio e um mercadinho. Fizemos stand up, pescamos e curtimos cada fim de tarde no paraíso. Lugar bacana para a lua de mel. Dizem que tem onda boa por lá… Fomos fora de temporada e o mar parecia uma piscina.

As cores contagiantes do artesanato de San Blas. Ao lado, Belinha com uma índia Kuna Yala.

10. San Blas

San Blas ainda é um destino pouco explorado e conhecido por brasileiros. Pertence ao Panamá e fica localizado ao leste do canal do Panamá, do lado caribenho. O ideal é alugar um barco, desses que já vêm com capitão, e passear pelo mar tranquilo, curtindo o visual paradisíaco. A água é cristalina e cada ilha tem um ponto forte. São 365 ilhas. A maioria não é habitada, e você consegue dar a volta completa no arquipélago em alguns minutos. Coisa de filme! Cenário perfeito para um luau daqueles.

Os índios Kuna Yala cuidam muito bem do local, e os mais velhos ainda preservam suas tradições. Em uma dessas ilhas, uma índia Kuna Yala pintou o rosto da Belinha com uma tinta extraída de uma planta local, nos mostrou como limpar os peixes e nos recebeu com muito carinho.

Esse lugar, que parece um sonho, fica a apenas 100 km da capital. A partir daí, você aluga um barco e zarpa para a ilha escolhida. Pode ser um passeio no qual os barcos te levam e buscam no mesmo dia, ou um passeio com barcos maiores, veleiros ou catamarãs para curtir alguns dias. Existem cabanas para alugar em algumas ilhas, coisa bem simples. E restaurantes, também, mas nada de luxo. O luxo mesmo é estar ali, curtindo essa joia rara! Não sei até quando isso vai durar… Até que chegue o mundo moderno por lá e, com isso, o crowd. Leve tudo para mergulho e boias também!

Boa viagem! Aloha! Iaorana! Bon voyage! Good trip! Buen viaje!

Tags: Canal OFF, Multishow, Oceano, Sal, Surfe, Viagem

Voltar para o blog