80 e Tal

Canal OFF

Depois da experiência com a série 70 e Tal, revisitamos as histórias, os ícones e a essência da década mais colorida e divertida da história do surfe brasileiro, sob o olhar criativo do diretor Rafael Mellin.

Os anos 80 promoveram uma mudança radical no comportamento dos surfistas que desbravaram praias, pranchas e costumes nos anos 70. O tímido e romântico mercado de surfwear da década anterior explodiu com a moda multicolorida e um culto inédito às marcas e aos atletas. O surfe cresceu, formou associações, pagou premiações em dinheiro, espalhou campeonatos pelo mundo e viabilizou novos planos de carreira. A mídia especializada do surfe, do skate e da música assumiu o papel de porta-voz de toda uma geração de jovens sedentos por novidades.

Dez anos que transformaram o surfe em um esporte radical, o surfista em um atleta profissional, a surfwear em um mercado mundial.

A receita de surfe, sexo, drogas e rock’n roll que embalou os anos 1970 ganhou novos ingredientes: no surfe, manobras radicais, competitividade e muitos equipamentos; no sexo, ainda mais liberdade e sensualidade à flor da pele; na moda, uma profusão inimaginável de cores neon, cortes assimétricos e formas geométricas. Para completar a receita, as drogas naturais e alucinógenas das décadas anteriores deram lugar às drogas sintéticas e aos estimulantes de todos os tipos, atravessando fronteiras internacionais e embalando dias e noites de muita festa. O rock’n roll ficou mais acelerado, com menos acordes e muito mais barulho. As músicas e as histórias se espalhavam de mão em mão em fitas K7 e inundavam a TV com videoclipes super coloridos e nonsense.

Os anos 80 foram os anos mais criativos do Brasil.

André De Biase

A mudança foi radical: hippies se transformaram em yuppies ou punks, roqueiros se transformaram em metaleiros. Bem antes do final da década, o ideal romântico e revolucionário de “paz e amor” foi substituído por doses excessivas de diversão, moda, cultura pop, sucesso e muita festa.

Para viajar no tempo e relembrar boas histórias lá de 80 e Tal, é só entrar no Globosat Play.

Existiria Yago Dora sem Dadá Figueiredo?

Voltar para o portfólio